FCCM: Ferrugem vira arte em exposição na Casa da Cultura

FCCM: Ferrugem vira arte em exposição na Casa da Cultura Fotos: Aline Nascimento

A experimentação faz parte do processo artístico do artista visual Bino Sousa. Na exposição Rendas de Ferro, o processo de oxidação de grades de ferro é utilizado como expressão da arte de Bino. Na mostra, que ocorre na Fundação Casa da Cultura de Marabá, o artista aproveita a ferrugem dessas grades para replicar o formato delas em tecidos.

Bino Sousa explica que começou a pesquisar sobre as grades em 2014, como algo representativo dos ciclos migratórios ao longo da história de Marabá. Segundo ele, o inchaço populacional e o crescimento da cidade influíram diretamente nos índices de violência e a grade representa a proteção utilizada em muitas casas.

“Então eu busquei algo que fale sobre a violência e, ao mesmo tempo, não seja a própria violência. Aí a grade aparece nesse momento porque é um objeto esteticamente bonito, traz essa representação de segurança e violência, mas ao mesmo tempo tem essa beleza e é aí que começo a me apropriar dela”, relata o artista. 

As experimentações de Bino Sousa com a oxidação começaram em 2015 com a exposição “Deterioração”, que foi o pontapé para novos experimentos. As grades são conseguidas em ferros velhos e sucatarias e depois os resíduos de tinta são retirados para que o objeto possa enferrujar naturalmente. Com a ferrugem, o contorno das dobras da grade fica marcado no tecido. Em algumas peças há a impressão de que são fotos analógicas de tão perfeitas as marcas.

Para a exposição Rendas de Ferro, o artista contou com apoio na montagem de outro artista visual, Alexandre dos Santos Filho, conhecido artisticamente como Alixa.

“Eu coloco uma espuma embaixo, depois o tecido e a grade por cima. Com o tecido úmido, basta deixar uma ou duas semanas para que a grade enferruje, mas também faço a aceleração da oxidação com limão, vinagre e sal”, explica Bino Sousa.

A hipótese do artista é que as grades, no estilo das utilizadas em sua obra, com dobras em formato de flores ou coração, por exemplo, surgem baseadas a partir das grades forjadas vindas da Europa e utilizadas em palacetes históricos, encomendadas por pessoas com menor poder aquisitivo.

Segundo Bino Sousa, o foco de sua obra é atrair a atenção para a grade, um objeto de ferro que ainda é produzido, mas que já está perdendo espaço. Para ele, as pessoas deixaram de produzir grades nesse formato pelo trabalho que dá realizar as dobras. Mas além disso, há outro ponto que o artista quer fazer as pessoas refletirem.

“Nós vivemos em uma região onde é extraído o minério de ferro. Esse minério dá uma volta lá longe e depois volta pra ser beneficiado aqui com o valor lá em cima. Para mim, como artista visual, me apropriar de um objeto de ferro no lugar onde é extraído o minério é interessante. Que as pessoas olhem para a grade porque é um registro histórico, faz parte da arquitetura da cidade, mas está deixando de existir. Você ainda encontra grades assim na periferia, mas nos bairros mais nobres pouquíssimo já se tem”, observa o artista visual.

As experimentações vão continuar. O artista já tem novas ideias envolvendo o objeto, a sobreposição, a criação de novos desenhos e intervenção urbana. A exposição aconteceu com o incentivo conquistado pelo artista por meio do edital municipal da Lei Aldir Blanc. Ele destaca a importância desse fomento à cultura no momento atual.

“É muito importante para os artistas porque permite que a gente faça essa produção, seja para o artista que comercializa seu trabalho quanto para artistas que fazem seu trabalho para apresentação e exposição. Eu acredito que foi essencial nesse momento porque eu pude experimentar. Esse recurso que vem, por meio de lei, serve para isso, para investir em algo que não estamos podendo”, pontua.

Para o presidente da FCCM, Marlon Prado, a fundação cumpre com seu papel de fomentadora cultural e segue com o apoio aos artistas em meio à pandemia atual.

“A FCCM sempre apoiou e teve essa relação com os artistas. O nosso museu tem um espaço para exposições temporárias justamente para incentiva, valorizar e ser um espaço alternativo para os artistas que o queiram utilizar. E atualmente, com a exposição do Bino Sousa, ao ar livre que, nesse momento de pandemia, vem a calhar para recebermos um público maior”, reitera.

Para o artista visual Bino Sousa, o contato com a arte tira as pessoas do lugar comum do dia a dia, seja com uma música que leva a uma lembrança. “Toda vez que a arte provoca essa sensação, a gente cumpre nosso papel de artista, fazer algo diferente. Eu gosto de pensar a arte dessa forma, como algo afetivo”, finaliza.

Serviço

A exposição segue até a próxima sexta-feira aberta ao público, na sede da Fundação Casa da Cultura de Marabá, das 8h às 18h.

 

Texto: Ronaldo Palheta

Avalie este item
(0 votos)

Sul e Sudeste do Pará

Loading
https://www.carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Publicidade.2018.Sophos_2019gk-is-100.jpglink
https://www.carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/00.Novo_Projeto_-_2021-09-24T142218530gk-is-100.jpglink

Vídeos

FAMAP, a escolha inteligente
08 Julho 2019
Em parauaebas, aluno chamou a atenção dos vereadores, no momento em que fazia uso da tribuna. de Carajás O Jornal
18 Abril 2017
Alunos da Rede Estadual de Ensino, assistem aula no meio da rua em Parauapebas
13 Abril 2017
Novo Ministro do STF3
11 Fevereiro 2017
Tiroteio em Redenção deixa população assustada
01 Dezembro 2016
Nesse domingo os paraenses vivenciam o #CIRIO2016, a maior festividade Religiosa do Brasil
09 Outubro 2016
Dr. Hélio Rubens fala sobre o caso de corrupção na Câmara Municipal de Parauapebas
08 Outubro 2016
MARCHA PARA JESUS: Milhares de jovens nas ruas de Parauapebas
08 Outubro 2016
Corrupção é um problema de todos, você também pode combater!
06 Outubro 2016
Joelma agradece pela presença e participação em seu show na FAP 2016
12 Setembro 2016
Jake Trevisan agradecendo toda população de Parauapebas no Carajás O Jornal
06 Setembro 2016
Cantor Açaí no evento da Imprensa na FAP a pedido de Marola Show, canta para a Rainha, primeira e segunda princesa da FAP 2016.
01 Setembro 2016